Nova proposta do governo é rejeitada e greve dos profissionais da educação continua

Os trabalhadores da educação rejeitaram a proposta de aumento salarial de 14% do Governo do Amazonas e decidiram continuar a greve no estado. A informação foi confirmada pelo Sindicato dos Trabalhadores da Educação do Estado (Sinteam), após uma assembleia com a categoria, na manhã desta terça-feira (30).

O sindicato informou que, durante uma reunião na segunda-feira (29), o governo propôs que o aumento salarial de 14% fosse feito em partes, sendo 8% pagos de forma imediata e 6% em julho.

No entanto, uma das principais reinvidicações da greve é o reajuste salarial de 25%, sendo assim, o estado ofereceu uma proposta 16% menor do que foi pedido pela categoria. Os profissionais da educação rejeitaram.

Na reunião com o governo, o Sinteam pediu a remoção das faltas e descontos aplicados na remuneração dos participantes da greve, além de progressões por tempo de serviço e títulos.

Entretanto, a Justiça do Amazonas bloqueou as contas do Sinteam e de todas as representações do sindicato no interior, além de autorizar o desconto das faltas dos trabalhadores em greve.

O sindicato vai recorrer da decisão no Superior Tribunal de Justiça e pediu doação de cesta básica para os trabalhadores que tiveram os maiores descontos.

Greve

Os trabalhadores da rede pública estadual estão em greve desde o dia 17 de maio. A paralisação é liderada pelo Sinteam. Na segunda (29), um grupo protestou em frente à sede do Governo do Estado, em Manaus. O trânsito no local foi alterado.

De acordo com a entidade, a data-base 2023 dos trabalhadores venceu no dia 1º de março. A instituição afirma, ainda, que a data-base de 2022 também está atrasada.

Integram o movimento grevista merendeiros, servidores administrativos, vigias, profissionais de serviços gerais, professores e pedagogos.

Os profissionais reivindicam 25% de reajuste salarial. O Sinteam também pede reajuste nos valores do vale-alimentação e auxílio-localidade; revisão do Plano de Cargos Carreira e Remuneração; e manutenção do plano de saúde e extensão para os aposentados.

Desde o início da greve, os representantes do sindicato e do Governo do Amazonas se reuniram duas vezes. Sem acordo com o Estado, que ofereceu 8% de reajuste, os profissionais da educação decidiram manter a paralisação.

Com informações do site G1*

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias Relacionadas

INOX METAL

Categorias

Redes Sociais

CLIMA TEMPO

SEMI-JOIAS